[ * ] [ c / des / n / t / u ] [ int / luso ] [ b / con / pol / xxx ] [ meta ] [ doar / info / regras / notícias / https / git ]

/luso/ - Lusofonia

Name
Email
Subject
Comment
File
Embed
Password(For file deletion.)

Allowed file types: jpg, jpeg, bmp, gif, png, webm
Max filesize: 10 MB.
Max dimensions: 10000 x 10000.


 No.1021

Rica Games mandando a real nos portugueses.

 No.1022

Exato, em 100 de independência conseguiram fazer ainda pior.
Passaram de reino a "império" e a primeira coisa que acontece é perderem uma província inteira.

>m-mas a culpa foi dos outros (os nossos avós) que já morrerem á um século

 No.1024

>>1022
Ignore o macaco, Manoel. Ele só está a pescar.

 No.1030

>>1022
Ainda bem que perdemos a Cisplatina. Agora aquele lugar é cozy pelo menos invés de ser um favelão. A mesma coisa com a Galiza. Seria uma merda se ficasse sob domínio português.

 No.1031

>>1030
Por "cozy" queres dizer que é legal fumar brocas, normalmente é essa a definição da esquerdalha para "cozy" porque de resto ainda consegue ter menor poder de compra que a média Brasileira.
E a Galiza, tu já fostes à Galiza por acaso..aquilo tem 20% de desemprego.

O pior do Brasileiro é a capacidade para o masoquismo constante.

 No.1034

>>1031

>Uruguai

PIB (base PPC)Estimativa de 2014
- TotalUS$ 69,777 bilhões*[5]
- Per capitaUS$ 20 497[5]
PIB (nominal)Estimativa de 2014
- TotalUS$ 55,597 bilhões*[5]
- Per capitaUS$ 16 332[5]
IDH (2015)0,795 (54.º) – elevado[6]
Gini (2010)45,3[7]

>Brasil


PIB (base PPC)Estimativa de 2016
- TotalUS$ 3,101 trilhões*[5] (7.º)
- Per capitaUS$ 15 153[5] (63.º)
PIB (nominal)Estimativa de 2016
- TotalUS$ 1,534 trilhões*[5] (9.º)
- Per capitaUS$ 11 387[5] (64.º)
IDH (2015)0,754 (79.º) – elevado[6]
Gini (2013)49,8[7][8][9]

 No.1035

File: 1504434156519.png (67.53 KB, 627x1013, List_of_Latin_American_and….png) ImgOps Google


 No.1036

Existe algum vlogueiro autista português?

 No.1037

File: 1504495612815.png (376.94 KB, 625x625, ClipboardImage.png) ImgOps Google

>>1035
>This is a list of Latin American and Caribbean economies sorted by their estimated gross domestic product (GDP) at purchasing power parity (PPP) in 2015 in International dollars.

>PIB (base PPC)Estimativa de 2016


A casa agradece pela omissão quanto aos índices que realmente importam, o IDH e o de Gini, pois.

 No.1038

>>1037
..mais vale ter os dois no mesmo ano que em anos diferentes para encaixar na narrativa, como no teu caso.

Ok vamos lá aprender qualquer coisa.
Gini é basicamente um indicador igualdade e inacreditavelmente distorcido, exemplo:
2013 EUA: GINI 46.1
2013 El Salvador: 41.8
2013 Moldávia: GINI 28.5

Ou seja há mais "igualdade" de rendimento em El Salvador e na Moldávia que nos EUA, o que os criadores esquecem é que é igualdade na pobreza. O índice GINI foi popularizado pelos economistas comunistas para distorcerem as economias capitalistas e promoverem abortos tipo Venezuela onde de facto há igualdade porque toda a gente é pobre.

O IDH já faz mais sentido, mas é distorcido em países de grandes populações, por exemplo o Peru, a Albânia e o Sri Lanka tem um IDH melhor que o Brasil, querer is para o Peru? eu também não.

Moral da historia, faz mais sentido ir para um estado do sul ou litoral no Brasil do que ir para o Urugay.

 No.1048

Esse vagabundo não tinha se matado?

 No.1049

File: 1505092022408.png (410.3 KB, 1024x742, ClipboardImage.png) ImgOps Google

>>1038
>discussão sobre Brasil e Uruguai
>EUA, El Salvador, Moldávia, Venezuela, Peru, Albânia, Sri Lanka
HUE. Não sei por que ainda continuo dando trela.

A título de curiosidade, saiu um estudo recentemente que aponta que a desigualdade no Brasil é ainda mais alta do que imagiávamos.

http://wid.world/news-article/new-paper-series-brazil/

Mas o estudo é do instituto do Pikkety. Acho importante informar, caso você queira descartá-lo sumariamente por comunismo.

 No.1050

>>1049
As referencias a esses países foram usadas num contexto da comparação do que os índices querem realmente dizer.
E o que querem dizer é que na maiorias dos casos, igualdade = igualdade na pobreza. Se não percebes, sentimos muito e sugiro que te mudes rapidamente para o Peru onde o índice HDI é mais elevado que no Brasil, ou para El Salvador onde o índice GINI é melhor que o do Brasil, vais ver o fantástico que é.

É a trabalhar índices tipo GINI, que o Piketty faz a vida.
>ho meus deus que inequalidade nos EUA (onde o rendimento per capita é grande)
>ho meu deus que igualdade na Moldávia (onde o rendimento per capita é uma merreca)
Estranhamente há hordas de pessoas a tentar imigrar para o EUA, porquê?, porque as pessoas querem rendimentos mais altos.

O grande problema do Piketty chama-se inveja e saudosismo pela URSS. Na URSS era tudo muito igual (exceto os membros do Partido, que tinham apartamentos deluxe e podiam comprar bens importados em lojas especiais só para eles), iguais a viver na merda sem hipóteses de saírem dela.

 No.1051

File: 1505135079085.png (237.11 KB, 510x289, rica odeio mulher.png) ImgOps Google

>>1048
Ele só se ausentou do Youtube pra caçar traveco no Bate-Papo UOL.

 No.1052

>>1030
A Galiza é literalmente igual ao Minho.

 No.1065

>>1050
Rapaz, eu até tava acreditando que o Gini de El Salvador devia ser mais elevado do que o do Brasil, mesmo (justamente por isso que você tá falando, eles devem ser mais homogeneamente pobres), mas eu não tava particularmente confiante de que o IDH do Peru era menor do que o nosso, não. Eu não tinha ido verificar até agora, porque esse é um argumento de bosta, que não invalida o índice e nem o meu argumento inicial (o de que o Uruguai é mais cozy do que o Brasil), é apenas cherrypicking fajuto, típico de direitola que, pra justificar suas visões de mundo tacanhas, precisa manipular dados dessa maneira.

Mas, agora, que você repete pela segunda ou terceira vez a mesma coisa, eu fui até dar uma olha no artigo sobre o Peru na Wikipédia. E veja só o que eu encontrei:

>IDH (2015) Crecimiento 0,7407​ (87.º) – Alto


Mas não é que o Peru tem um IDH mais baixo do que o do Brasil? (Que, em 2015, é de 0,754, estando o Brasil na 79.º colocação no ranking de países por IDH) hahah

Sobre o índice de Gini. É claro que você ser homogeneamente pobre é uma bela bosta. No entanto, eu não mencionei o Gini sozinho, não é mesmo? Não, não mencionei. Eu falei, também, do PIB per capta e do IDH. Através do cotejo do Gini com o PIBpc, nós só podemos concluir que, no Uruguai (que tem um PIBpc maior do que o brasileiro), os uruguaios são mais igualmente (Gini) ricos (PIBpc) do que os brasileiros.

Agora, veja só o PIBpc de El Salvador:

GDP (PPP) 2015 estimate
• Total
$52.666 billion[3]
• Per capita
$8,668[3]
GDP (nominal) 2015 estimate
• Total
$28.986 billion[3]
• Per capita
$4,776[3]

E compare com os PIBpc do Brasil e também do Uruguai, que eu colei aqui: >>1034.

Fica evidente que El Salvador, aqui, não é parâmetro de comparação. A comparação que você faz, rapaz, é falaciosa. Mais uma vez, manipulação de dados pra corroborar seus próprios pontos de vista.

>Pikketty

>saudade da URSS
HUEHEUHEUEHEUEU

A partir de 1 hora, 17 minutos e 18 segundos:
https://www.youtube.com/watch?v=6pcGuqxyVJs&t=1h17m18s
>Em que medida seu livro [O Capital no Século XXI] se aproxima, ou se afasta, de Marx?
>Eu nasci em 1971, fiz 18 anos em 1989, com a Queda do Muro de Berlim. Então, sou da primeira geração pós-Guerra Fria, nunca fiquei tentado por qualquer tipo de comunismo soviético. Eu acredito na propriedade privada, eu acredito no capitalismo, nas forças do mercado, mas também acredito que precisamos que instituições democráticas fortes usem esta força em direção do interesse comum. Eu não vivo na Guerra Fria. Talvez algumas pessoas vivam, mas isso é problema delas, não meu, pra mim isso não é um problema


Eu só não te recomendo a parar de postar, porque a surra que você tá tomando tá tamanha, porque essa sua mania de ver comunismo em tudo que você não gosta tá me divertindo sobremaneira.

 No.1066

>>1065

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_inequality-adjusted_HDI

73 Peru 0.580

78 Brasil 0.561

Mais uma vez reitero, faz as malas e muda-te para o Peru. Lá podes ter um melhor "desenvolvimento" humano e uma igualdade na miséria.

Sobre o Urugay, já me referi acima, qualquer área desenvolvida no Brasil é infinitamente melhor que o Uruguai, a Cisplatina seria quanto muito uma versão mais pobre do Rio Grande do Sul

Dados 2014
Rio Grande do Sul
US$152 bilhões PIB(nominal)

Uruguai
US$55,597 bilhões PIB(nominal)

Basicamente é só quase o triplo. A diferença é que o Uruguai tem uma densidade populacional extremamente baixa (18,6 hab./km2) comparada com o Rio Grande do Sul (40 hab. /km2) o que distorce a distribuição per capita.
O mesmo fenómeno acontece com coisas tipo Noruega, onde existem enormes recursos e uma população pequeníssima, o que por exemplo comparado com os EUA, faz parecer o sitio um paraíso. Mas vamos encher a Noruega com uma densidade populacional maior e ver o que acontece.

Sobre Piketty

https://www.jacobinmag.com/2014/07/why-were-marxists/
Basicamente Piketty é Marxista, mas sem dizer que gosta de Marx, até os colegas dele admitem. O mesmo objetivo por caminhos diferentes.

Que é a mesma retórica dos intelectuais esquerdistas Franceses dos anos 70 "nós não somos Marxista-Leninistas" …mas somos pela mesma coisa, só que com um marketing distinto.

Os Marxistas-Leninistas clássicos propunham a eliminação da sociedade capitalista pela violência, Piketty propõe a eliminação do capitalismo pela taxação (ver a proposta dele de taxar a 80% todos os rendimentos acima de 500.000USD), se alguém for taxado a 80% porque é que se vai esforçar a produzir ou a investir?, no fim vai ganhar a mesma coisa que os outros ou ainda menos.
Ou seja Marxismo mas por outra forma, em vez do Gulag o cobrador da Fazenda Nacional.

 No.1072

>>1065
Expliquem-me essa cultura de legendar tudo online. Estão ainda assim tão mal no ensino de inglês?

 No.1073

>>1072
Se damos tanto valor pra língua pátria é porque não somos um paiseco minúsculo e podemos produzir tudo o que consumimos sem ter de exportar conteúdo.

Se fode aí, filho da puta.

 No.1074

>>1073
Tinha ficado com a sensação de que o vídeo não era num canal brasileiro. Mas o ponto mantém-se: vocês traduzem merdas do big think etc.

 No.1075

>>1074
O que quero dizer é o seguinte: se "dobramos" (dublagem) e legendados tudo, é porque temos uma carência de falantes de inglês. E se temos esse défice, é porque simplesmente não necessitamos de outro idioma em nossas vidas. Pegue os países nórdicos, por exemplo. Ou o sujeito fala inglês ou ele está fodido. Espanha e França, por outro lado, possuem índices baixíssimos de proficiência no inglês.

 No.1077

>>1066
>List of countries by inequality-adjusted HDI
>inequality-adjusted HDI
>The index captures the HDI of the average person in society, which is less than the aggregate HDI when there is inequality in the distribution of health, education and income. Under perfect equality, the HDI and IHDI are equal; the greater the difference between the two, the greater the inequality.
O Peru, no IDH ajustado pela desigualdade, não fica na frente do Brasil por ter um nível de desenvolvimento humano maior, mas por ter menos desigualdade, porque é homogeneamente pobre - o que é incontroverso nessa discussão aqui.

Eu nunca disse que moraria no Peru, é você que tá dizendo isso já há uns quatro posts, fazendo um espantalho do meu argumento, que tem a igualdade como um valor (ênfase no artigo indefinido, porque não é o ÚNICO valor que existe ou a que eu fiz referência). Óbvio que eu não iria prum país onde as pessoas são igualmente pobres; o que eu preferiria é um país onde as pessoas são igualmente ricas, como um país escandinavo qualquer, ou mesmo Portugal (que é rico pra padrões brasileiros), antes de ir morar, por exemplo, num Estados Unidos, onde há níveis muito superiores de desigualdade. Além de ser eticamente insustentável, a desigualdade, pesquisas demonstram, traz violência ao seio da sociedade (compare, por exemplo, taxas de homicídios e encarceiramento em Portugal e nos EUA). Eu preferiria viver numa sociedade pacífica.

Violência essa que é um dos fatores principais pra que eu, que vivo numa "qualquer área desenvolvida no Brasil", ache o Uruguai mais cozy do que o Brasil (lembrando que, ultrapassada toda a cortina de fumaça que você lança sobre a discussão, o meu ponto aqui é justamente este: Uruguai mais cozy que Brasil)

Mas, quem sou eu, né? Você, que nunca esteve no Uruguai, e nem no Brasil, e que não tem uma compreensão particularmente acurada dos dados sócio-geográficos disponíveis desses lugares, tem a mais absoluta certeza que as coisas aqui são "infinitamente melhores" do que no Uruguai. Deve ser isso mesmo, então.

No entanto, concordo que todos esses índices que eu mencionei têm, cada um deles, suas próprias distorções. Inobstante, se considerarmos todos eles em conjunto (inclusive o índice de sua predileção, o IDHAD, em que, ora pois, o Uruguai se dá muito melhor do que o Brasil: "49 Uruguay 0.670"), fica claríssimo que o Uruguai é mais cozy do que o Brasil.


>Os Marxistas-Leninistas clássicos propunham a eliminação da sociedade capitalista pela violência, Piketty propõe a eliminação do capitalismo pela taxação

Ainda que isso fosse inteiramente verdade (e não é), você dizer que o Pketty é marxista já seria contraditório. Porque o marxismo É o meio pelo qual se alcança a sociedade socialista e, então, comunista. Você tem que ser revoluciário pra ser marxista. Você pode até ser socialista sem ser revolucionário, mas tem que sê-lo, revolucionário, pra ser marxista.

Só que um capitalismo mais regulado e menos desigual não se desconfigura como capitalismo. E, por isso, não é correto você dizer que a tributação proposta pelo Piketty é a morte do capitalismo. Ninguém aqui há de dizer que não são capitalistas países da Europa Ocidental, onde há regulação e igualdade elevada. Então, também não há por que supor nem que o Piketty seja socialista (quanto mais marxista). É só um capitalista moderado.

Mas eu tenho a impressão de que você não vai entender esse argumento, já que você é obtuso o suficiente pra não perceber a diferença, que não é estreita, entre mandar mandar alguém prum gulag e tributar alguém.


>>1072
Sim. A esmagadora maioria da população brasileira não é capaz de acompanhar um cara falando de coisas difíceis (conceitos abstratos, termos econômicos etc.) em inglês com sotaque francês. Isso aqui não é Europa rica.


>>1074
É do canal estatal brasileiro, a TV Cultura. O programa é o Roda Viva, que, aliás, costuma ser de qualidade muito boa. Tô, inclusive, inscrito no canal do programa no YouTube. Recomendo, se você se interessar de ter uma visão mais aprofundada do Brasil e suas questões.


>>1075
>é porque simplesmente não necessitamos de outro idioma em nossas vidas
Isso não é verdade.
É muito mais porque as pessoas não têm dinheiro/tempo/oportunidade de fazer cursinho de inglês.
Tanto que, nas classes altas e médias ilustradas, a proficiência em inglês é comum.

 No.1078

>>1077
>encarceramento
Fixado.

 No.1079

>>1075

>precisamos de dobrar coisas

>não precisamos da língua do qual dobramos

 No.1081

>>1077
Ok no caso de não teres compreendido, a questão do Peru serve apenas para demonstrar a infiabilidade dos índices e de como podem ser distorcidos para satisfazer as narrativas que se queira (inclusive a do Piketty).

Os países uniformemente ricos, são países com alta taxa de alfabetização, pequenos (Áustria, Suíça etc) ou com uma baixa densidade populacional por Km2 (Canada). Esperar que um pais enorme e com uma alta densidade populacional seja uniforme é inviável, o melhor que se pode fazer é liberalizar e tornar o nível de riqueza tão alto que mesmo os mais pobres tenham o suficiente, como acontece nos EUA onde mesmo um sujeito a ganhar salário mínimo ganha mais que um funcionário de classe media no Brasil (sim a habitação é mais cara, mas tudo o resto é mais barato ou ao mesmo preço).

Sobre a "cozyness" (parabéns pelo pedantismo) do Uruguai, já me referi é um estado tampão, mais pobre que as regiões circundantes, tanto Brasileiras como Argentinas, com baixa densidade populacional o que permite o PIB nominal parecer mais per capita, porque não há população.
Sobre a violência a mesma coisa, mais densidade populacional mais violência, isso já foi demonstrado em vários estudos ( Establishing the statistical relationship between population size and UCR crime rate: Its impact and implications http://theipti.org/wp-content/uploads/2012/02/covariance.pdf )
E mais uma coisa sobre o Uruguai, que os esquerdistas pretendem sempre ignorar, o Uruguai é um paraíso fiscal, muito do capital que é injetado na economia local vem de fora porque quer fugir aos impostos dos países de origem.
https://internationalliving.com/countries/uruguay/taxes/


Uma coisa é a regulação do sistema capitalista outra é a tentativa da sua destruição por métodos fiscais que tornariam inviável o investimento, uma vez que não iria existir retorno visível após tributação, portanto Marxismo, comunismo, Pikettysmo, picaretismo vai tudo resultar no mesmo, a destruição do sistema capitalista.
E Piketty não é uma capitalista é um esquerdista caviar, gosta das coisas que o capitalismo produz mas não gosta dos métodos que são essenciais á criação dos produtos resultantes do capitalismo, no fundo quer ter o bolo e come-lo, um raciocínio infantil que se está a propagar por todo o lado. Se as coisas do Piketty fossem implementadas falhavam redondamente. Primeiro o capital é móvel, se alguém o ataca num pais ele foge para outro (Uruguai talvez??) isso ficou demonstrado na lei do Hollande que taxava a 70% o escalão mais alto do IRS com o resultado que toda a gente rica em França começou a alterar a morada fiscal para outros países, perdendo a França milhões em impostos.
Segundo e o mais perigoso, os Pikettyanos ao verem o capital mover-se começariam a impor barreiras, primeiro de transferências, depois a implementar sistemas de informação para ver quem tinha o quê (Bitcoins!, perái seu capitalista imundo), com o estado a regular tudo aos mais ínfimos pormenores…ou seja totalitarismo.
O monopólio do estado é um monopólio como qualquer outro, tirânico e destrutivo, e fazer o totalitarismo por "razões humanitárias" é sempre errado, porque a narrativa de "razões humanitárias" pode ser o que eu/outros quiser.

 No.1090

>>1081
Calma lá! Não é pedantismo, não. Sou pedante com outras coisas; com inglês no meio do discurso em português, não. Estou usando "cozy" porque foi a expressão adotada em >>1030 (que não é post meu) e >>1031.

Agora, se você pretende "demonstrar infiabilidade de índices" colhendo cerejas (repara, tudo no vernáculo), você faz isso mal. Nenhum dos índices mencionados neste fio se pretende perfeito. Já admiti aqui, se não me engano mais de uma vez, que todos têm suas falhas.

No entanto, como também já observado, em conjunto, os índices apontam inequivocamente para: o Uruguai é mais aconchegante do que o Brasil.

Toda sua verborragia acaba se demonstrando vazia, uma vez que o IDH, o IDHAD, o PIBpc e o Gini do Uruguai são TODOS melhores do que os do Brasil.

Perceba, eu não estou comparando o Uruguai com o Sul do Brasil, ou com as capitais do Brasil, ou com Brasília. Eu estou comparando país com país, que é a discussão proposta aqui, e que é o que faz sentido. Se formos começar a comparar cidades, é bom lembrar que Montevidéu ([europeu]a capital do Uruguai[/europeu]) é, disparado, a cidade latinoamericana que apresenta melhor qualidade de vida: https://www.latam.mercer.com/content/mercer/latin-america-and-caribbean/mx/es/newsroom/mercer-calidad-de-vida-internacional-2015.html.


O Piquetí propõe um tributo global, mas com um objetivo menos arrecadatório e mais cognoscitivo. Isso é, pra se rastrear o dinheiro, mesmo. E, com isso, evitar-se coisas odiosas como paraísos fiscais. A intervenção do Estado se faz necessária, se o capitalismo, puro, é incapaz de evitar que a desigualdade aumente infinitamente, o que é a tese central dele.

Mas, sim, o Piquetí pode ser considerado esquerdista… e capitalista. Porra, não há incompatibilidade alguma entre ser capitalista e esquerdista. Você não parece ter claros os conceitos de esquerdista, socialista, comunista e marxista…

Da mesma forma, você faz um salto lógico enorme quando iguala regulação estatal do capitalismo a "regulação aos mais ínfimos pormenores" e "totalitarismo". Há variados graus de intervencionismo estatal na economia, que pode se dar de diversas formas, desde agências reguladoras até monopólio público de setores produtivos inteiros. Há variados graus regulação (normatização), também: da proibição de venda de urânio enriquecido pra crianças menores de doze anos a regulações da UE sobre penas de travesseiros. E, por fim, nada disso é totalitarismo. O totalitarismo pressupõe a colonização, pelo Estado, de todos os âmbitos da vida do indivíduo (incluindo afetivo, social, religioso etc.), e não só da esfera econômica.

Mas tô gostando de ver o relativismo, o pós-modernismo aí, de as coisas poderem significarem o que se quiser que signifiquem. Só não deixe seus amiguinhos do deus-vultismo (deus-querência, em português) você brincando com essas coisas.

Por fim, o mais legal do seu post (sua postagem) foi aprender que portugueses também falam "esquerdista caviar".

 No.1092

>>1090
>Perceba, eu não estou comparando o Uruguai com o Sul do Brasil, ou com as capitais do Brasil, ou com Brasília

Colher cerejas pelos visto só em certas árvores..
Reitero, o Uruguai é um pais com baixa densidade populacional, um paraíso fiscal e mais pobre que as regiões Argentinas e Brasileiras circundantes com o mesmo tamanho.
Portanto dizer que o Uruguai é "aconchegante" e o Brasil é um "favelão" é do mais puro disparate e foi o que me fez escrever. Tudo o resto podemos andar aqui a colher cerejas, nêsperas e jacas todo o dia.


Exato essas coisas como "tributo global" é que me fazem pensar se o Piketty é troll ou realmente estúpido, como é que iria impor semelhante medida, nas transferências ?, então os espertos iam passar a fazê-las em bitcoins, títulos de divida e um sem numero de maneiras, inventando uma nova a cada vez que se tentasse cobrir a anterior. Seria no IRS/IRC ?, então o capital iria mudar a sua residência fiscal para um pais que não ratificasse semelhante acordo, os "paraísos fiscais".
Os paraísos fiscais, vão sempre existir, porquê porque os países são livres e independentes para fazerem a sua política fiscal, se um pequeno pais ou região acha que para captar investimento e criar empregos deve baixar ou anular a sua tributação, porque não há-de fazê-lo? É uma questão de livre escolha. O que vamos fazer para os impedir, invadi-los?, impor-lhes bloqueios? bombardeá-los até ganharem bom senso?
As tributações fortes e repressivas só podem existir em tempo de guerra ou crise grave, se forem permanentes há uma revolta e se há a possibilidade de revolta há totalitarismo para a impedir. É uma constante histórica.

Se ele quer realmente impedir a desigualdade, devia dedicar-se aos monopólios e aos cartéis, esses sim perpetuam a desigualdade e distorcem o mercado.
Esta guerra ao capitalismo é como a guerra ás drogas, inútil e destinada a falhar, enquanto houver consumidores vai haver trafico de droga, enquanto houver ambição vai haver capitalismo.
A única coisa que isto vai criar é totalitarismo nos países estúpidos o suficientes para incentivar essas ideias, vão tornar-se nos novos "orgulhosamente sós" cada vez mais pobres, enquanto outros de forma aberta ou dissimulada captam o capital que flui naturalmente para lá.

O verdadeiro problema do Piketty e dos marxistas é com a natureza humana, enquanto existirem humanos vai existir desigualdade, quando forçam a "igualdade" como na URSS aparece o totalitarismo e passado uns anos o colapso total, ficam todos pior que antes.

 No.1101

>>1092
Vá ser desonesto na casa do caralho. Comparar o país Uruguai com o país Brasil não é colher cerejas, porque foram estes os termos propostos da comparação. Foi você, DEPOIS de uns três posts de discussão, DEPOIS de perceber que não seria sustentável continuar dizendo que o Uruguai não é mais aconchegante do que o Brasil (REFORÇO: A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, e não qualquer outra delimitação político-geográfica), que tirou do cu a comparação com a Região Sul do Brasil ou com o norte da Argentina. Nem eu nem o outro BR >>1030 nunca sustentamos que o Sul do Brasil não era mais aconchegante do que o Uruguai, porque nunca falamos nada sobre o Sul do Brasil, mas sim do Brasil.

Mas você quer comparar o Uruguai com o Sul do Brasil? Que seja, porque nem assim você consegue colher cerejas maduras: o IDH do Sul do Brasil é mais baixo do que o do Uruguai, HUE. (Não encontrei o IDH só do norte da Argentina)

>IDH médio (2010)0,756 elevado


Em momento nenhum, também, disse que o Brasil era um favelão. Não reli todos os meus posts, mas tenho segurança pra falar isso, até porque o fato de o Uruguai ser mais aconchegante do que o Brasil não implica de maneira nenhuma em o Brasil ser um favelão. Mas, se você pude verdetextar a passagem em que você acha que eu quis dizer isso, faça-o, por favor, que eu te esclareço o que eu quis realmente dizer.

Rapidamente, quanto o Pikachu. Não sei como se operacionalizaria um tributo mundial, e acho que nem o Piekkety. Tava só relatando a ideia dele, não disse que era fácil (ou possível) de ser implementada.

Há diversas formas de se coagir um país a fazer ou deixar de fazer o que quer que seja, como pressão diplomática e econômica, e guerra. A depender do nível de compromisso da comunidade internacional, todas essas opções estariam disponíveis pra se forçar um país a deixar de ser paraíso fiscal.

A tributação do Brasil é o que há de mais injusto no mundo. É regressiva (isso é, incide mais pesadamente sobre pobres do que sobre ricos) e os fundos que levanta são mal administrados, quando não são desviados e roubados. E sempre foi assim. O Brasil nunca esteve à beira de guerra civil por isso. Se essa é uma tendência história, não tem suas exceções.

Acredito que o Pikkety não seja favorável à formação e manutenção de cartéis e monopólios.

Você não sabe o qual é a natureza humana e nem eu e nem o Pikkety e nem o von Mísseis. Invocar a natureza humana pra justificar o capitalismo é a falácia original do discurso liberal, e pode enfiá-la no cu.

 No.1112

>>1101
Não percebo muito bem a tua paixão pelo paraíso fiscal do Uruguai, já referi e reitero dentro do Brasil tens sítios muito melhores que o Uruguai.
E sobre o HDI, mais uma vez (a terceira acho) convido-te a imigrares para o Peru onde aparentemente o HDI é mais alto que no Brasil
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_inequality-adjusted_HDI

>Há diversas formas de se coagir um país a fazer ou deixar de fazer o que quer que seja, como pressão diplomática e econômica, e guerra


Obrigado por confirmares a minha noção que a esquerda gosta de agir pela violência de forma a obrigar países/pessoas/instituições que não pensam ou agem como eles. A esquerda é pela "humanidade" e pela "paz" desde que façam o que eles querem, caso contrario lá aprecem as forma de coação tbc bombardear aquilo.
No fundo é o Bush com retórica barata.

Que eu saiba a esquerda no Brasil não quer reduzir a tributação, mas mantê-la para as classes baixas e aumenta-la para as classes medias, as classes altas são obviamente excluídas porque fornecem triplexes aos representantes do proletariado.
Ou seja tens um bolo maior a ser controlado pelo tal estado que mal administra, desvia e rouba o que já tem.

A natureza humana não é uma falácia, é real e encontras-a todos os dias, ignora-la é ignorar o elemento mais básico da sociedade. Falácia é a teoria que o ser humano é um pedaço de barro pronto a ser moldado num robot comunista, desprovido de ambição e interesse pessoal, uma formiguinha perdida na multidão completamente mutualista e controlada pelas rainhas iluminadas tipo Pikkety.

 No.1117

>>1112
>dentro do Brasil tens sítios muito melhores que o Uruguai
Dentro do Brasil vai ter lugar que vai ser melhor do que Portugal. Isso significa que o Brasil é mais aconchegante do que Portugal? Não. Porque, em geral, sem colheita de cerejas, Portugal é melhor do que o Brasil.
Se for pra colher cerejas, como eu disse no >>1090, eu colho Montevidéu, que é a melhor cidade da América Latina.

>E sobre o HDI, mais uma vez (a terceira acho) convido-te a imigrares para o Peru onde aparentemente o HDI é mais alto que no Brasil

Você pode falar quarenta vezes sobre o IDH do Peru e estar errado e isso ser irrelevante pra discussão todas as quarenta. Por acaso, foi o que aconteceu nas duas vezes anteriores, e é o que acontece agora.

Você está errado porque esse link se remete a uma lista de IDH que compensa a desigualdade. Como eu expliquei no >>1077, o "IDH ajustado pela desigualgade" do Peru é maior do que o do Brasil porque eles são menos desiguais… na sua pobreza. O "IDH sem ser ajustado" do Brasil, porém, é maior do que o IDH peruano. Isso, também, já foi dito aqui nesta discussão. Você está se repetindo, e se repetindo no erro.

>Obrigado por confirmares a minha noção (…)

Eu sou de esquerda? Por não achar que o Pikkety não é comunista e por achar o Uruguai mais aconchegante do que o Brasil, eu sou de esquerda? hahaha

E, mais, eu disse que deviam fazer guerra com país que fosse paraíso fiscal?

Você tá lendo o que quer ler, ó pá.

Mas, não, você parece ser ignorante sobre a esquerda brasileira, também. A nossa esquerda, como boa parte da esquerda mundial, quer tributar ricos mais pesadamento do que pobres - isso é, quer que o Brasil tenha uma tributação progressiva, já que, por completo descalabro, temos tributação regressiva (pobres pagam mais que ricos, em números absolutos e relativos). Dentre as propostas defendidas por políticos de esquerda daqui estão: a tributação de grandes fortunas, a elevação do tributo sobre herança (que é ridiculamente baixo aqui), a tributação de lucros e dividendos (sim, não tributamos isso aqui) e extinção do ICMS (imposto sobre a circulação de mercadorias e serviços), que incide sobre o consumo e afeta as classes pobres sobremaneira. Desta maneira, conseguiríamos uma distribuição de renda um pouco melhor, com algum dinheiro dos ricos pagando por serviços e políticas públicas (lembrando que, como disse no >>1049, o Brasil é um dos países mais desiguais do mundo).

HAHAHAH
Caralho, eu realmente ri agora, lendo seu discursinho raivoso sobre (o que não é) a natureza humana. Mas, okay, não vou discutir sobre isso. A natureza humana pode ser aquilo que você quer que seja, e não o que o Pikkety quer que seja.

 No.1131

File: 1507912179594.gif (1.94 MB, 320x180, rica girando.gif) ImgOps Google

>essas paredes de texto dos dois autistas por causa de um videozinho do rica
Kek.

 No.1134

>>1117

Se aconchegante é pré-reforma e sestas até pode ser, mas para quem tenha pulso uma grande cidade do Brasil é inteiramente preferível a Montevideu, assim como os EUA são preferíveis a Portugal, questão de perspetivas de vida.

>Você está errado porque esse link se remete a uma lista de IDH que compensa a desigualdade


E em que é que os índices oficiais que eu escolho têm ser menos importantes ou relevantes que os teus…o Peru aparece á frente do Brasil naquele HDI, lida com isso e com o facto de TODOS os índices serem manipulados para favorecer a narrativa que se queira

>E, mais, eu disse que deviam fazer guerra com país que fosse paraíso fiscal?


Citação: >Há diversas formas de se coagir um país a fazer ou deixar de fazer o que quer que seja, como pressão diplomática e econômica, e guerra.

sem comentários.

>Mas, não, você parece ser ignorante sobre a esquerda brasileira


O Lula e cia. ajudaram imenso a perceber o que é a esquerda Brasileira, toda a "justiça" social através de maior arrecadação de impostos serve apenas para alargar a base de votos a troco de meia dúzia de cobres do bolsa família (que alias foi implementado pelo FHC), exatamente o mesmo que acontece aqui com o RSI, aumenta-se todos os anos a carga fiscal para os pobres terem acesso a mais uma caixa de donuts ao fim do mes sem que fundamentalmente se altere a economia de forma a proporcionar-lhe mais empregos e mais bem pagos sem terem que depender da esmola do estado.
Para alem da fraude ideológica, porque o sistema de corrupção continua, agora com novos atores.
A tributação da grandes fortunas a 70% ou mais só vai fazer com estas desapareçam, porque como já referi é extremamente fácil movimentar milhões numa questão de segundos ou dividir uma empresa em ações em que cada titular pode ser uma empresa offshore. Depois as promessas de arrecadação fiscal têm de ser cumpridas e onde vão buscar o dinheiro? à classe media como de costume.
Sobre a baixa de impostos estou de acordo, impostos sobre pequenas transações só as dificultam, mais com a burocracia do que propriamente com o valor.
Sobre a heranças é outra ilusão, o imposto iria incidir sobre a classe media que não tem os meios ou os conhecimentos de transformar o património em produtos financeiros ou sociedades anónimas que podem ser transferidas mesmo em jurisdições extra nacionais.
Sobre os dividendos, se existem varias empresas brasileiras no NYSE ou no NASDAQ o não tributarem dividendos é uma das razões, com a flutuação do Real, só um dividendo sem imposto torna o investimento a longo prazo numa empresa brasileira interessante, quanto muito admito a tributação de dividendos a partir de determinado valor, porque por vezes é um esquema usado pelos donos para descapitalizarem a empresa, prejudicando os restantes acionistas.

E a natureza humana é uma constante, ignora-la é um erro, a única maneira de subverter a natureza humana é com o autoritarismo, mas mesmo isso nunca dura.

 No.1140

Fds vocês dois caralho
Os índices são uma merda; a interpretação do zuka de que o inequality-adjusted HDI é falho em relação à comparação com Peru porque todos tão igualmente na merda no Peru é falha porque o IHDI nosso é TÃO mas TÃO menor que apesar do nosso HDI ser um tanto maior, tamos mais na merda que eles, segundo o inequality-adjusted HDI, o final: no final — repito, segundo o inequality-adjusted HDI — a gente tá mais na merda que o Peru: e como tu tuga falaste, não pode corresponder isso à realidade.
Sendo assim não há de se falar que o índice só é falho em relação ao Peru, por conta da tal "distorção porque todo mundo vive na merda" que supostamente só acontece no caso do Peru (distorção já provada inverdadeira, acima): o é também em relação a todos os países, portanto.
Doutro lado é também falha a linha do tuga de que o PIB per capita deles só é maior por causa de distorção provinda de diferença na densidade demográfica, e ainda usando os escandinavos de exemplo; diz ele: "Mas vamos encher a Noruega com uma densidade populacional maior e ver o que acontece".
É claro, mas é justamente por causa do pouco povo que o PIB per capita acaba por aumentar. "Encher o Uruguai e ver o que acontece" não faz sentido algum a menos que tu estejas metendo booms demográficos tirados sei lá da onde na conta.

No final — tomo a ousadia de retirá-lo de vossos textos — todos concordamos que todos os índices são falhos e tem exemplos casuísticos que o provam
Nem adianta bater na tecla dos índices — falhos que são — e nem tampouco arguir então experiência empírica — porque comparar de um ponto de vista empírico Brasil a Uruguai só com o que sabemos de noticiários não é tão one-sided quando comparar Peru com Brasil caralho

Ambos países têm condições parecidas demais em sua média pra compararmos assim
Cumps

(E cessem com o ad hominem com filosofinho de sei lá das quantas que deu sei lá qual argumento que já nem mais lembramos caralho)



[Return][Go to top] [Catalog] [Post a Reply]
Delete Post [ ]
[ * ] [ c / des / n / t / u ] [ int / luso ] [ b / con / pol / xxx ] [ meta ] [ doar / info / regras / notícias / https / git ]